18 OUT 2018

Cardeal Parolin: precisamos educar o mundo a amar a paz

O secretário de Estado Vaticano concluiu sua homilia, pela paz no mundo e na Coreia, pedindo ao Senhor a graça de tornar a paz uma autêntica missão no mundo de hoje.

Cidade do Vaticano

Na tarde desta quarta-feira (17/10), o Cardeal Secretário de Estado, Piero Parolin, presidiu, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, a uma “Santa Missa pela Paz" na Península Coreana, da qual participou também o Presidente da República da Coréia, Jae-in Moon, Membros do Corpo Diplomático e algumas autoridades civis e religiosas.

O Cardeal Parolin iniciou a sua homilia com as palavras de Jesus Ressuscitado aos seus discípulos: "A paz esteja convosco!" No entanto, os discípulos já haviam ouvido tais palavras do Senhor na noite da Última Ceia, antes de se entregar aos seus perseguidores; mas também antes da sua Ascensão ao Céu. Ao se despedir dos seus discípulos, disse: "Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz. Não como o mundo vos dá, mas como eu vos dou. Não vos preocupeis, não tenhais medo".

A paz é dom de Deus

A paz que o Senhor oferece ao coração humano, em busca da verdadeira vida e da plena alegria, afirmou o Cardeal, é o mistério espiritual que une o sacrifício da Cruz ao poder renovador da Ressurreição: "Deixo-vos a paz! Dou-vos a minha paz!"

É o queremos fazer esta noite, dirigindo-nos àquele que detém a história e o destino da humanidade: implorar, mais uma vez, o dom da paz para o mundo, em particular para a península coreana, pois, após tantos anos de tensão e divisão, a palavra paz pode finalmente ressoar plenamente.

A sabedoria das Escrituras leva-nos a entender que somente os que experimentaram o mistério inescrutável da aparente ausência de Deus, diante dos sofrimentos, opressão e ódio, podem entender realmente o que significa ressoar novamente a palavra Paz.

A paz é construída com escolhas diárias

Sabemos, disse o Cardeal Secretário de Estado, como pessoas de boa vontade, que a paz é construída com escolhas diárias; com um sério compromisso a serviço da justiça e da solidariedade; com a promoção dos direitos e da dignidade da pessoa humana e, sobretudo, com atenção aos mais fracos.

Para os que acreditam, recordou o Cardeal Parolin, a Paz é, antes de tudo, uma dádiva que vem do alto, do próprio Deus; é plena manifestação da presença de Deus, anunciado pelos Profetas como o Príncipe da Paz.

Não se trata de uma paz abstrata e distante, mas de uma experiência da vida concreta, como o Papa Francisco teve a oportunidade de dizer: “Uma paz em meio às tribulações". De fato, - diz ainda “o mundo nos anestesia e não nos deixa ver outra realidade da vida: a Cruz". Por isso, a fé cristã nos ensina que "a paz sem a cruz não é a Paz de Jesus"!

Devemos sempre falar de paz

O Papa Paulo VI, que acaba de ser canonizado no Vaticano, instituiu o "Dia Mundial da Paz", em 1° de janeiro de 1968, quando, disse: "Devemos sempre falar de paz! Precisamos educar o mundo a amar a paz, a construí-la, a defendê-la; devemos despertar, nos homens do nosso tempo e das gerações futuras, o sentido da verdadeira paz, baseada na verdade, na justiça, na liberdade e no amor".

O Cardeal Secretário de Estado, conclui sua homilia, pela paz no mundo e na Coreia, pedindo ao Senhor a graça de tornar a paz uma autêntica missão no mundo de hoje, confiando no misterioso poder da Cruz de Cristo e na sua ressurreição.


18 outubro 2018, 14:35

Compartilhe esta publicação
Nossas redes sociais
Top