11 JAN 2019

Papa Francisco: Dom Bosco, portador da alegria do Evangelho

No prefácio do livro "Evangelii gaudium com Dom Bosco", o Papa Francisco enfatiza que a proposta de São João Bosco às periferias sociais e existenciais foi uma medida alta de vida cristã.

Amedeo Lomonaco, Silvonei José - Cidade do Vaticano

"Ele não era um santo com a cara de Sexta-Feira Santa, triste, mas sim" do Domingo de Páscoa ". Ele era um "portador saudável" da "alegria do Evangelho", sempre "alegre, acolhedor, apesar das mil fadigas que tinha todos os dias". Para ele, "a santidade consistia em ser muito feliz". Este é o retrato de Dom Bosco delineado pelo Papa Francisco no prefácio do livro"Evangelii gaudium com Dom Bosco".

O padre dos jovens pobres e abandonados

A mensagem de Dom Bosco, escreve o Papa, era "uma mensagem revolucionária em uma época em que os padres viviam longe da vida do povo". Em Turim, uma cidade industrial "que atraia centenas de jovens em busca de trabalho", ele levava seu impulso missionário à "periferia social e existencial": "saía às ruas, entrava nos canteiros de obras, nas fábricas e nas prisões" e levava a "alegria e o cuidado do verdadeiro educador a todos os jovens que tirava das ruas".

Francisco e os carismas salesianos

O "clima de alegria e de família" em Turim de 1800, ligado à obra de Dom Bosco, foi vivido e desfrutado por muitos jovens formados pelos salesianos. Esta foi também a experiência pessoal do Papa Francisco quando frequentou o sexto ano no 'Colégio Wilfrid Barón de los Santos Angeles', em Ramos Mejía, cidade argentina localizada na província de Buenos Aires. "Os salesianos - escreve o Papa – formaram-me à beleza, ao trabalho e a ser muito feliz". "Eles me ajudaram a crescer sem medo, sem obsessões". "Eles me ajudaram a avançar na alegria e na oração".

Nas periferias do mundo e da história

No prefácio, intitulado "Queridos Salesianos", o Papa Francisco faz em particular uma pergunta: "Que salesiano de Dom Bosco devemos ser para os jovens de hoje?" "Um salesiano que sabe olhar ao seu redor - escreve o Papa - vê situações críticas e os problemas, que as confronta, as analisa e toma decisões corajosas ". "Ele é chamado a ir ao encontro de todas as periferias do mundo e da história, as periferias do trabalho e da família, da cultura e da economia, que precisam ser curadas".

A identidade do salesiano

"O salesiano – lê-se no prefácio do Pontífice - é um educador que abraça as fragilidades dos jovens que vivem marginalizados e sem futuro, se inclina sobre suas feridas e cuida delas como um bom samaritano". O salesiano é também "um otimista por natureza, sabe olhar para os jovens com realismo positivo". "Como ensina ainda hoje Dom Bosco, o salesiano reconhece em cada um deles, mesmo os mais rebeldes e descontrolados," aquele ponto de acesso ao bem sobre o qual trabalhar com paciência e confiança ".

Deus nos ama e nos perdoa

O salesiano, escreve ainda o Papa, é "portador da alegria, da alegria que nasce da notícia que Jesus Cristo ressuscitou e é inclusiva em todas as condições humanas". "Deus não exclui ninguém". "Para nos amar, ele não nos pede para sermos bons". "E ele nos pede permissão para nos amar". "Ele nos ama e nos perdoa". Se nos deixarmos surpreender pela simplicidade daqueles que não têm nada a perder - sublinha Francisco - sentiremos o nosso coração inundado de alegria ". "Quando essas características faltam, eis então os rostos carrancudos e tristes".


Assuntos


11 janeiro 2019, 13:07

Compartilhe esta publicação
Nossas redes sociais
Top