21 JUL 2017

Diocese de Itapetininga (SP) instala Tribunal Eclesiástico  

IMG_8534

Diocese de Itapetininga (SP) instalou o Tribunal Eclesiástico Diocesano na tarde do dia 19.

Na tarde desta quarta-feira (19/07), o bispo diocesano, dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, instalou o Tribunal Eclesiástico Diocesano de Itapetininga. A cerimônia foi realizada na Catedral Nossa Senhora dos Prazeres. Compuseram a mesa, o Arcebispo Metropolitano de Sorocaba, Dom Julio Endi Akamine, o Vigário Judicial de Sorocaba, Pe. Dr. João Carlos Orsi, o Vigário Judicial de Itapetininga, Pe. José Benedito Cardoso e D. Gorgônio, a prefeita de Itapetininga, Simone Marquetto, o Major PM Valdimir Aparecido da Silva e o Capitão PM Éder Vieira Bueno, o promotor de Justiça da Vara da Família e Sucessões, Dr. José Roberto de Paula Barreira, o presidente da Ordem dos Advogados (OAB) de Itapetininga, Dr. Regger Eduardo Barros Alves e, o deputado estadual, Edson Giriboni.

Estiveram presentes ainda, o conselheiro estadual da OAB, Dr. Luiz Gonzaga Lisboa Rolim, representando a Prefeitura e a Câmara de Tatuí, o vereador Marcos de Abreu; representando a Prefeitura e Câmara de Porangaba, o Sr. Rogério Fogaça e representando a Câmara de Itapetininga, o Vereador Marcos Silvério.

Cerimônia

A cerimônia teve início às 18h com a oração do Veni Creator Spiritus (Vinde Espírito Santo) cantado. Na sequência, D. Gorgônio cumprimentou os presentes e na oração afirmou que “tais tarefas visam à salvação das almas que, – hoje como sempre – continua a ser finalidade suprema das instituições, das leis e do direito. Neste sentido é também o nosso desejo ao instalar o tribunal eclesiástico em nossa diocese; (…) que os trabalhos sejam pautados na correta aplicação da lei, em vista do bem dos fieis”. Na sequência, o Diácono Leonardo Mendes Soncin entrou com o Evangeliário e proclamou o Evangelho de Mateus, capítulo 5, versículos 1 a 21.

O bispo falou brevemente ressaltando que o Tribunal Eclesiástico, segundo o Código de Direito Canônico da Igreja Católica, é um tribunal da Igreja que realiza a justiça canônica, além de orientar os cristãos católicos em situações diversas e, propõe os caminhos corretos a serem seguidos em determinadas situações da sua vida da Igreja, afim de que ela possa cumprir a missão que Cristo lhe incumbiu. Confiando-o à proteção de Nossa Senhora dos Prazeres, todos fizeram a oração à padroeira da diocese e a Salve Regina (Salve Rainha) cantado.

Nomeação dos oficiais

Encerrada a parte espiritual, Pe. Sirlei de Oliveira abriu a sessão solene, chamando o chanceler da diocese, Pe. Reinaldo Machado Ramos para a leitura do Decreto de Instalação do Tribunal e nomeação dos Juízes e Oficiais. Pela leitura dos decretos de instalação e nomeação, o Pe. José Benedito Cardoso é Vigário Judicial e Juiz Presidente do Tribunal; os Padres Reinaldo, Lorival de Oliveira Pedro, Rodrigo Feitosa e André Viana são Co-Juízes; os Diáconos Carlos Lourenço Guilherme e João Calil Vieira de Carmargo, Defensores de Vínculo; Pe. Mário Donato Sampaio, Ana Paula Zimermann Abreu e Joana D’arc Vittorelli Pires, advogados; Diácono Rogério Soares Teles, Notário e, Adriane Drumond Ferreira, a secretária.

As autoridades que compunham a mesa foram chamadas a falar sobre a instalação do Tribunal. O então, Vigário Judicial, Pe. Cardoso, concluiu as falas abordando a necessidade de cuidar das famílias, da situação dos divorciados e de seu sofrimento. Ele ressaltou o trabalho do Tribunal neste sentido e o empenho dos oficiais que aceitaram abrir mão de remuneração para exercê-lo com gratuidade e compromisso para com os fieis. Destacou ainda, que cada caso será avaliado com cuidado e, que as custas processuais também serão considerados individualmente, conforme a situação dos requerentes.

Entrega das provisões

Nesta quinta-feira (20), pela manhã, os oficiais do Tribunal estiveram presentes na Cúria Diocesana para uma celebração. Após a oração inicial, leitura bíblica e admoestação do bispo, os oficiais fizeram a Profissão de Fé solene e o juramento de fidelidade diante do livro dos Evangelhos. Ao final, cada oficial assinou e recebeu sua provisão.

Cabe ressaltar que, a provisão é um documento que autoriza os oficiais – bem como padres, diáconos, ministros da Sagrada Eucaristia, por exemplo – a exercer um ministério ou uma função. Ela é uma autorização jurídica que acompanha a designação e a benção.

 Colaboração Ariana Ayres, da Assessoria Diocesana de Comunicação. Fotos: Diocese de Itapetininga/William Furtado

 

Compartilhe esta publicação
Top